quarta-feira, abril 30, 2003

Ausência

Meus sonhos continuam de mal de mim.

Fofo

Acho que eu vou colecionar....



thanks Marcela!

segunda-feira, abril 28, 2003


Fim de Semana

Esse fim de semana eu esqueci de sonhar.

Comida

Receita, mais que especial, enviada pelo mestre Zé Raimundo. Prova que a gente tem que ser o que é, até na cozinha.

COUVE DE BRUXELAS CUSTOMIZADA
Ou, para os íntimos,
Couve de Bruxelas do Zé do Blues

Compro no Mercado Central,um saquinho daqueles de couve de Bruxelas
Fervo água filtrada com um colher de sopa de vinagre
+3 dentes de alho ralado
+fatias finas de 1 cebola
+1 cubo de caldo de legumes, para impregnar de um gosto sutil a couve, em processo de fervura.

De antemão, já terei cortado, em 4 partes, rigorosa e metodicamente, tal qual Jack, o Estripador,
todas as couves de Bruxelas, que serão lançadas à agua fervente temperada, para que possam ser flexibilizadas através de um choque térmico, que tem por objetivo, apenas e - tão somente, o de criar um nova textura para tão nobre legume. Bastam 5 minutos na fervura...

Em seguida, pego uma frigideira , despejo sobre ela 3 colheres de sopa de azeite de oliva,
deixo esquentar ao máximo, porém, sem queimar o azeite e, na sequência, lanço as couves de Bruxelas, ja devidamente, recortadas, para que possam adquirir uma espécie de fritura, que deverá ser controlada, pelo mexe-mexe da colher, revirando as couves, para que elas possam ser homogeneizadas em seu processo de fritura.

Nesse movimento de ir e vir, lentamente, vou mexendo, em modulações suficientes, para chegar ao clímax, de chegar ao ponto de dourar, não queimar, as couves. Basta tostar.

Assim, constatado que ELAS chegaram ao clímax, só me resta afastá-las, delicadamente, para o lado esquerdo da frigideira, porque está chegando a hora dos ovos entrarem, ou seja,serem despejados sobre a mesma frigideira, para serem mexidos/remexidos, até adquirirem a aparência de ovos mexicanos com porotos.

Para não acontecer um mistura prematura torna-se necessário que os 3 ovos sejam bem fritos/remexidos, sendo que, em seguida, farei o encontro das couves com os ovos,amalgamados que serão, num processo de penetraçoes múltiplas, dando aquela sensação de uma pasta consistente, com uma cor meio bizarra, porém, com um gosto delicioso, que deverá ser acompanhada de torradas.

Para quem gosta de provolone,basta ralá-lo e colocá-lo sobre a pasta bizarra e levá-lo a forno para
derreter e encobrir a COUVE DE BRUXELAS CUSTOMIZADA.

sexta-feira, abril 25, 2003

25 de abril, madrugada de quinta para sexta-feira

Arquiteto

Sonhei que o Kenji estava todo contente porque tinha passado no vestibular e estava no primeiro período de arquitetura. :)


quinta-feira, abril 24, 2003

24 de abril, madrugada de quarta para quinta-feira

Ilhéus

Sonhei com a minha viagem, mas uma espécie de versão onírica. Eu estava no mercado de Ilhéus e queria comprar um lembrancinha para minha mãe. Mas só tinha coisa feia: uns biblelôs feitos de conchas, caranguejos empalhados e umas borboletas feitas de latinha de alumínio. Mais Kitsh impossível. Eu até pensei: "nossa, mas será que não tem nada bonitinho nessa cidade?"

Eu saí do mercado (no meu sonho o mercado era incomparavelmente melhor que o centro de abastecimento que eu visitei, mas acho que existia uma relação meio inconsciente entre os dois) e andei nas ruas. Várias crianças derretiam plástico azul para fazer outras peças como caixas de ferramenta e até forminhas de gelo (?) Enquanto eu andava na rua, apareceu a Maria Raquel, minha colega de curso, que ontem me deu uma carona no fim da aula.



Ilhéus

terça-feira, abril 22, 2003

Pesadelo

Pois então, como todos já devem saber, eu fui roubada. Levaram minha bolsa com coisas valiosas (carteira, celular, ticket restaurante...), coisas úteis (documentos, agendas, chaves....), coisas que só tem valor para mim (anel, marcadores de livro, cartões postais, tablaturas que eu ainda nem sei tocar, chaverinho guinzy....)

Esse fato deu uma paralizada nos meus sonhos. Sei lá, acho que traumatizei. :P O único sonho que me lembro:

Tailândia

Estávamos eu e meu pai tentando fazer compras. Eu sabia que tinha sido roubada e procurava uma alternativa para conseguir dinheiro. De repente, um cara veio nos oferecer um cartão, da tailândia, que eu podia fazer e sacar dinheiro na hora. Eu e meu pai nos entreolhamos pensando: "Será?"

De qualquer forma, agradeço o Kenji, meu pai, minha mãe e meus amigos que de alguma forma aliviaram essa chatice de ser roubada. :o) Obrigada! (Inclusive, o Almindo que mandou uma foto linda, pena que eu não sei colocá-la aqui)

quinta-feira, abril 17, 2003

17 de abril, madrugada de quarta para quinta-feira

Ituiutaba

Essa noite eu sonhei com uma palavra: Ituiutaba. Ela aparecia enorme na minha frente e eu me perguntando: o número de I's e de U's está certo?
De repente apareceu a palavra Ituiuiu. Eu pensei: não, não é ituiuiu, é ituiutaba. Eu me lembro de quando trabalhava na UEMG, e uma das unidades ficava em Ituiutaba, portanto, a palavra correta é essa.



segundo o Google isso é Ituiutaba em 1958.

quarta-feira, abril 16, 2003

16 de abril, madrugada de terça para quarta-feira

Mais lembranças

Sonhei, outra vez, com amigos de infância. Dessa vez foi a tia Aparecida. Ela, e a família, já estiveram aqui nesse blog. Mãe da Adriana, a minha amiga mais antiga de Belo Horizonte, ela não é minha tia de verdade. Eu que tinha mania de chamar todo mundo assim quando era pequena.

No sonho eu estava visitando a casa dela, mas as filhas não estavam. Além da tia Aparecida, apenas o seus dois filhos mais novos: o Júlio e o Léo. O caçula, Léo, é mais ou menos 3, 4 anos mais novo que eu. No sonho, eu olhava para ele, via a barba e pensava: "Que engraçado, eu o conheci tão novo, agora até barba ele já tem".

terça-feira, abril 15, 2003

15 de abril, madrugada de segunda para terça-feira

Roda de Violão

Sonhei que estávamos em uma roda de violão. O Kenji estava tocando gaita. No violão estava um colega meu de 5a série chamado Último. Deve ter uns 15 anos, no mínimo, que eu não vejo o Último. Também estava um outro colega dessa mesma época. No sonho, ele se chamava Jean, mas sinceramente, não tenho certeza se esse é o nome dele mesmo.

Ontem, quando comprava minha passagem, tinha um atendente que chamava Último. Sempre que eu vejo esse nome eu penso: Será que é o meu colega? Deve ser por isso que eu sonhei.



segunda-feira, abril 14, 2003

Lembrei!!

Essa noite eu sonhei que estava conhecendo a professora da nova disciplina que terei no IEC. Era uma mulher mais velha e me pareceu muito segura de si. (mas não cheguei a reconhecer a cara dela, não).

Quem me apresentou foi a Roberta (minha professora na primeira disciplina) que disse:

- Fique esperta, porque ela é exigente. E riu.
12 de abril, madrugada de sexta para sábado

Júlio Médico

Sonhei com o prof. Júlio Pinto novamente. Ele era meu médico no sonho e atendia também o Kenji e alguns de nossos amigos. Entre esses amigos estava o Arnon (colega de Vetta do Kenji) que estava com algum problema de saúde mais sério, com muita dor de cabeça e perdendo os sentidos durante o trabalho. (Mas não se preocupem, diz a tradição que sonhar que uma pessoa morreu ou está doente é sinal de saúde para ela). No sonho, o Arnon também era médico e estava muito preocupado com a sua situação. O Júlio virou para mim e disse:
- Tenho que pedir uns exames complicados para o Arnon. Mas só vou enviar o e-mail hoje no fim do dia para que ele não fique muito preocupado, porque o stress pode piorar a situação.

13 de abril, madrugada de sábado para domingo

Separações

Estava no serviço e o Vila (responsável pela informática na Impacto) estava contando que tinha separado da esposa. Então, o Ramiro, que trabalha na Impacto também, disse que estava pensando em se separar da mesma forma.

Bom, pelo que eu sei, ambos os casamentos estão bem. Espero que nesse tipo de sonho funcione a lógica contrária: se sonhou com separação, é porque as coisas vão bem.

14 de abril, madrugada de domingo para segunda-feira

Falando demais

Eu sei que sonhei, mas esqueci o que foi. Segundo o Kenji eu também falei enquanto dormia. A frase foi a seguinte:

- A outra gatinha fica em Franca e a outra fica no Santo Antônio.

sexta-feira, abril 11, 2003

11 de abril, madrugada de quinta para sexta-feira

Sonhei!!

Estava numa festa que misturava reveillon e carnaval. Quer dizer, era reveillon, mas durava três dias. No sonho, eu conhecia as pessoas, mas os rostos são completamente desconhecidos. A festa acontecia em um restaurante que tinha uma parte aberta atrás.
Tinha um grupo de teatro que as pessoas se revezavam na perna de pau. O visual era muito bonito, muito colorido, mas eu achava o povo meio chatinho....

Não sei, mas por algum motivo eu acho que esse sonho está ligado ao sonho do Caetano Veloso. Tenho que pensar melhor sobre isso.

Depois desse sonho, um pouco antes de acordar, eu estava sonhando com alguma coisa relacionada ao governo Lula. Exatamente o quê, eu não me lembro.

quinta-feira, abril 10, 2003

10 de abril, madrugada de quarta para quinta-feira

A falta de sonhos

Concluí que muito provavelmente não vou mais sonhar durante os dias úteis, porque durmo pouco e sonho menos ainda.
Considerando essa nova realidade da minha vida, dormir de 24h às 6h30m de segunda a quinta, esse blog também muda.
Agora, além do meu diário de sonhos, ele também contará com alguns comentários, às vezes, distante do tema central.
Claro, que a função primeira permanece prioritária: o que eu sonhar, publicarei.
Mas na falta de sonhos, vai embromação mesmo!



Todos Juntos

Uma gata, o que é que tem?
- As unhas
E a galinha, o que é que tem?
- O bico
Dito assim, parece até ridículo
Um bicinho se assanhar
E o jumento, o que é que tem?
- As patas
E o cachorro, o que é que tem?
- Os dentes
Ponha tudo junto e de repente
Vamos ver no que é que dá

Junte um bico com dez unhas
Quatro patas, trinta dentes
E o valente dos valentes
Ainda vai te respeitar

Todos juntos somos fortes
Somos flecha e somos arco
Todos nós no mesmo barco
Não há nada pra temer
- ao meu lado há um amigo
Que é preciso proteger

Todos juntos somos fortes
Não há nada pra temer

Uma gata, o que é que é?
- Esperta
E o jumento, o que é que é?
- Paciente
Não é grande coisa realmente
Prum bichinho se assanhar
E o cachorro, o que é que é?
- Leal
E a galinha, o que é que é?
- Teimosa
Não parece mesmo grande coisa
Vamos ver no que é que dá

Esperteza, Paciência
Lealdade, Teimosia
E mais dia menos dia
A lei da selva vai mudar
Todos juntos somos fortes
Somos flecha e somos arco
Todos nós no mesmo barco
Não há nada pra temer
- Ao meu lado há um amigo
Que é preciso proteger
Todos juntos somos fortes
Não há nada pra temer

E no entanto dizem que são tantos
Saltimbancos como nós


Confira essa e outras lembranças no infancia80 um site bem legalzinho.



Quem estava perguntando por esse desenho outro dia? Encontrei lá também.

quarta-feira, abril 09, 2003

terça-feira, abril 08, 2003

Amigos, divulguem:

Abaixo-assinado on-line pelo não fechamento do
“Museu das Artes Gráficas do Brasil”


isso não é um sonho, é um pesadelo. :P
08 de abril, madrugada de segunda para terça-feira

Textos

Sonhei que estava lendo uma revista, o formato era muito parecido com a antiga revista Manchete. Mas era uma revista sobre cinema. Estava lendo um texto sobre um filme sobre um homem, que tinha um filho e era um enredo triste. Não sei que filme é esse. Mas na resenha que eu lia descrevia uma cena em que o personagem assistia uma longa cena de outro filme (um clássico hollywoodiano) e que o diretor soube usar as imagens desse outro filme para falar sobre os sentimentos do protagonista. Detalhe: o tal clássico era um filme de guerra.

Virei a página da revista e estava começando a ler uma crítica de
Cronicamente Inviável (um filme, aliás, que foi comentado na aula ontem e que estou querendo saber mais sobre ele) mas nesse instante eu acordei.

(Novos Parênteses)

Os blogs estão em crise? Primeiro a Rosi, depois Cíntia, Nix, Monterey"s Coast e agora o Claumann. Onde vocês estão, meus amigos?

Outro assunto: eu gosto de coca-cola, não de guerra. Aos *simbólicos* de plantão: não, quem toma coca-cola não está a favor da guerra. A Coca-cola e o MacDonald's não financiam a guerra. E, por favor, patrulhamento ideológico é coisa do passado. Um passado que eu prefiro esquecer.

segunda-feira, abril 07, 2003

05 de março, sábado

Fashion

Enquanto o Kenji fotografava, eu sonhava com uma roupa de liquidificador (aquelas coisas muito antigas que a sua mãe punha nos eletro-domésticos para não pegar gordura...) e uma de botijão de gás. Era um conjunto: ambas as peças eram azul marinho e tinham uma rosa bem vermelha bordada.

06 de março, madrugada de sábado para domingo

Maquiagem

Sonhei que eu estava frequentando um clube novo. Ele ficava no fim da Av. Amazonas. No sonho eu cheguei a pegar o ônibus para ir até lá. Era um clube comum, com piscina, playground, etc. Mas eu gostava porque tinha uma área verde muito bonita, tipo um jardim super vitaminado com animais e pássaros soltos.

Nesse clube iria acontecer um show do Caetano Veloso. Então eu fui parar numa casa (dentro do clube) que estava o próprio Caetano e o pessoal da produção. Nós estávamos combinando como seria o espetáculo. Eles falaram que cada um estaria com uma maquiagem diferente e pintaram meu rosto: do nariz para baixo de roxo, abaixo dos meus olhos de laranja e meu cabelo de azul. Esse seria meu visual e eu achei o máximo.

Fui para casa (de cara limpa) e liguei a televisão. Apareceu o Richard Nixon (é, o ex-presidente dos Estados Unidos) falando dos perigos que as pessoas corriam pintando a cara, principalmente se fosse com tinta látex.

Aí eu pensei: Mas que sujeito ignorante, né? Não sabe que a gente não pinta a cara com tinta de Parede? Que existe tinta especial para maquiagem?

07 de março, madrugada de domingo para segunda-feira

Serviço

Sonhei, mais uma vez, com meu serviço. Não lembro exatamente o quê.

sexta-feira, abril 04, 2003

04 de março, madrugada de quinta para sexta-feira

Sonhei!

Primeiro foi com vários gatos. Eu ficava procurando a Zen no meio daquela gataiada e de repente achava. Acho que esse sonho se explica pelo fato de uma gatinha ter dormido no meu cabelo. :^)

Depois eu sonhei que estava comprando um sapato e encontrei a Dodora da Pinheiro Promoções. Ela me contou que eles estavam fazendo um evento para crianças (na verdade a feira do bebê está para acontecer mesmo). Ela tinha um livro infantil na mão e nós conversamos sobre o tempo que eu trabalhava lá. Uma moça, que estava com ela, perguntou:
- Você não trabalha mais na Pinheiro?
Eu respondi:
- Não, agora eu estou numa agência de publicidade.

quinta-feira, abril 03, 2003

03 de março, quinta-feira

Esse blog está em crise. Não tenho tempo suficiente de sono para sonhar. Definitivamente, preciso dormir mais!




quarta-feira, abril 02, 2003

02 de abril, quarta-feira

Duas noites sem sonhos. Muito pouco tempo para dormir, para sonhar. Mas apesar disso tudo...

Tô Legal
Grupo Raça

C Am Dm
Não faz mal, se o sonho chegou ao fim
G7 C Am
Sem essa de baixo astral, no meu coração
Dm G7
Eu juro que não

C Am Dm
Não faz mal, valeu enquanto durou
G7 C Am Gm C7
E agora que terminou, preciso cuidar de mim

F G7 Em
Não faz mal, não foi a primeira vez
Ebo Dm
Que um grande amor se desfez
G7 Gm C7
Sem ter uma explicação

F G7 Em
Não faz mal, não tenho que lamentar
Am Dm G7 C A7
O tempo há de apagar, as marcas dessa paixão

Dm G7 C
Tô legal, apesar disso tudo, eu tô legal
Am Dm
Vou pensar no futuro, eu tô legal
G7 C A7
É o meu coração que diz

Dm G7 C
Tô legal, apesar disso tudo, eu tô legal
Am Dm
Vou pensar no futuro, eu tô legal
G7 C
Quero mais é te ver feliz