terça-feira, junho 26, 2007

Um dia, um gato

Outro dia, outro gato. É meio louco essa coisa de ter quatro gatas em casa. Quatro personalidades, todas felinas.
Rola uma sensação de 'os meus, os seus e os nossos', porque toda hora, nos cantinhos da casa, você dá de cara com um focinho diferente.
O grande lance é que quatro realmente não é pouco.
Antes eu ainda tinha uma política de ser tudo igual para as gatas.
Coisa de ser humano besta, que quer impor uma linha de raciocínio humano em um universo completamente diferente, onde funciona outra lógica.
Mas era a minha forma de lidar com elas.
Agora não é mais possível ser assim.
O que uma acha o máximo a outra não consegue nem entender.
Cada uma tem suas necessidades, suas prioridades, suas preferências.
Uma gosta de figo e alecrim, a outra quer água no copo, a terceira só pensa em brigar e a quarta se faz de inocente e mantém as outras três sob seu completo domínio.
Resumindo a ópera, a forma como eu me relaciono com o universo felino é que muda. Sou eu que aprendo tanto o que faz sentido em termos práticos como o que é invencionice da minha cabeça de gente.
Aliás, essa raça de gente, devem pensar minhas gatas, inventa coisa demais provavelmente para compensar o fato de não ser perfeita, como são os gatos.

13 comentários:

Lori disse...

Quatro gatas é diversão constante!!!

:: She said :: disse...

Eu juro que nao sabia, mas vc táláno Tambor Mineiro há mais de um ano e eu há um mês. Fofocando por lá descobri. Vc às segundas, no pandeiro, eu às quartas na percurssão. Veterana,não vai me obrigar a tocar de biquini de lantejoulas se nos esbarrarmos por lá, combinado?

ps.: to empolgada igual criança tocando os surdos maiores que eu. Um dia apareço pra ver sua aula. ;D

Kenji disse...

marfela, legal! tambor é o que há!

lud, um dos seus melhores posts ;-) beijos

Lúcio disse...

Mandou bem Lud! A minha suspeita assustadora aliás é que os gatos têm *mais* variedade de personalidade que os humanos. Ou pelo menos é muito mais fácil para mim encaixar humanos que gatos em "arquétipos" pré-fabricados de personalidade.

Que vergonha para nossa espécie sermos previsíveis assim. Sniiiiiif!

Ludmila disse...

Omni você é meu herói! (das gatas tb, provavelmente). 4 gatas já estão me fazendo rever conceitos e paradigmas, imagina 11! :-D

:: She said :: disse...

Caralho,não é tambor!!! É PERCURSÃO!!!

bêúcêétêá: PERCURSÃO!

obrigada pelo espaço para o desabafo.

;D

Ludmila disse...

uai, então eu não entendi.. vc tá tocando oquê? Caixa? Ou é aquela outra aula que tem com um monte de instrumentos de escola de samba?

Kenji disse...

marfela

tá parecendo minha prima que SALTA de pára-quedas e não PULA de pára-quedas, pq saltar é sair de um nível superior para um inferior, enquanto pular é ir e voltar pro mesmo nível

ou "quem pula é sapo" :-)

bah, e eu toco gaita e flauta ;-)

omni, ainda tô tentando lembrar onde entravam os telefones nessa história dos gatos dominarem os humanos ;-)

:: She said :: disse...

Lud: o curso da escola de samba... to ate montando uma: Unidos dos Grandes Lábios

Kenji: tocar tambor é coisa do coelhinho das alcalinas. Percussão tem mais status. Ah, deixa eu ser chata vai? Só um poquinho...
;D

Ludmila disse...

Desculpa aí, mas dizer que tocar tambor é coisa de coelhinho das alcalinas é que é coisa de caloura!! ;-P

:: She said :: disse...

também nao admito mais você como minha veterana uma vez que não corrigiu meu erro crasso ao escrever a palavra percussão daquela forma hedionda mais de uma vez... :Q

Ludmila disse...

Pois é, eu até comentei com Kenji que seria muito deselegante da minha parte corrigir a ortografia de uma pessoa no meu blog, ainda mais de uma ca-lo-ura... hohohohohohohohoho

:: She said :: disse...

é, vc deselegante... eu nunca vi mesmo não. Fez bem! ;D