segunda-feira, julho 19, 2010

Quem manda aqui?

Eu gosto de ir à pediatra da Teresa, a ótima Valentina, porque em toda consulta ela me lembra que na nossa relação, minha com a Teresa, quem manda sou eu. E é assim que tem que ser, para o bem da filhota, já que ela precisa de orientação e firmeza para se sentir segura. Isso parece muito simples e muito óbvio, mas é difícil pra caráleo. Sabe por que? Porque os bebês são lindos. E além de lindos, nós, os pais, os amamos profundamente. Como resistir?

Sabe aquele tipo de cara, lindo, inteligente, que tem o poder de fazer o que quiser com você?
Você sabe que ele está te enrolando, você sabe que não vai sair nada dali, mas ele é tão bonito, tão inteligente e você gosta tanto dele... Aí você acorda no outro dia, o celular dá fora de serviço ou desligado e você pensa: filho da puta, me enrolou de novo!

É assim com os bebês. Eles fazem beicinho, dão aquelas risadinhas deliciosas que só os bebês sabem dar, choram lágrimas sentidas e chamam mamãe... Mas você não pode ceder, porque eles só querem engalobar você.
Tem que cortar a unha, tem que andar de mão dada, tem que escovar dente e lavar atrás da orelha. Parece fácil, galera, mas cada item é uma luta diária.

Isso tudo pra dizer que depois de uma boa conversa com a Valentina combinamos que eu vou desmamar a Teresa nos próximos 90 dias. Concluímos que os benefícios da amamentação já foram todos aproveitados, ela está com peso e tamanho ótimos e já com quase 18 meses de vida. Portanto, move on, é pra frente que se anda. O prazo alargado, de fato, é para mim, não para Teresa. Como disse a Valentina: 'quem manda no peitão é você. Então prepare-se, e no dia que estiver pronta, simplesmente corte a amamentação. Ela vai reclamar um pouquinho, não vai querer a mamadeira, mas quando a fome apertar, tudo estará resolvido'.

Por isso estou aqui, me preparando emocionalmente para mais esse passo. Para resistir ao beicinho, ao choro, ao meu bebê querendo mais de mim e eu negando. Negando por ela, para que ela cresça e se desenvolva ainda mais. É assim que funciona, eu a incentivando a crescer por um lado e ela apresentando os desafios e me botando pra frente também.

Um comentário:

Leo disse...

já dizia a cidinha "eu não sou sua amiga, sou sua mãe" ;-)